notícias

a festa

Flip 2014: dia 3

Millôr Fernandes foi tema da mesa “O Guru do Méier”, que abriu o terceiro dia da festa que o homenageia. “Ele fazia tudo em casa e vinha para a redação conversar e atrapalhar o fechamento", contou um bem humorado Cássio Loredano, que estava acompanhado de Claudius e Sérgio Augusto.


A relação com a comida foi o norte de "À mesa com Michael Pollan – “ao contrário do que se acredita, o almoço grátis existe, sim. Mas teríamos de saber cozinhá-lo”, disse, sabiamente, o norte-americano.

O xamã Davi Kopenawa e a fotógrafa Claudia Andujar trouxeram à luz a questão indígena na mesa “Marcados”, em que discutiram a ruptura da harmonia da vida por ganância e a proteção ao povo Yanomami – o próprio Kopenawa, pouco antes de chegar a Paraty, recebeu ameaças de morte.


As semelhanças entre o Paquistão e o Brasil permearam o debate entre o romancista Mohsin Hamid e o cronista Antonio Prata na mesa “Livre como um táxi”, em que compararam a classe média dos dois países e falaram sobre seus estilos de escrita.


No "Encontro com Andrew Solomon", o norte-americano deu um emocionante depoimento sobre pessoas que vivem em condições consideradas marginais ou excepcionais, como surdos, transgêneros, frutos de estupros, crianças-prodígio, esquizofrênicos e outros, especialmente do ponto de vista dos pais.


Cacá Diegues e Edu Lobo dividiram a última mesa da noite, "2x Brasil", em que lembraram casos da era mais criativa do Rio de Janeiro, como a história de que Diegues conseguiu um papel para Cartola em um de seus filmes para ajudá-lo financeiramente.


FlipMais, Flipinha e FlipZona

A FlipMais desta sexta-feira começou com a mesa "A poesia e seus caminhos de fazer ler", que contou com leitura de poemas e uma discussão sobre a importância da literatura desde a infância. O papel do agente literário foi tema de discussão na mesa seguinte, com depoimentos de profissionais da área. Na mesa "Centenário de um Nobel", em homenagem a Octavio Paz, o editor Alberto Ruy-Sánchez e o poeta, tradutor e ensaísta Horácio Costa discutiram a obra do escritor mexicano. Filhos de pais desaparecidos durante a ditadura, Marcelo Rubens Paiva e Ivo Herzog lembraram os anos de chumbo daquele período na mesa "Em nome do pai", mediada por Zuenir Ventura.


Na Flipinha, o autor de cordel Arievaldo Viana divertiu as crianças com a leitura de suas obras nesta manhã, e a mesa "De onde vêm as histórias", com os escritores Leo Cunha e Roni Wasiry Guará, foi outro destaque da programação. Na FlipZona, os destaques ficaram por conta de Paulo Varella em palestra sobre ciência e astronomia.

share
Logo da Casa Azul