noticias

a festa

Roteirista de "O segredo dos seus olhos" na FlipMais

O professor de história argentino Eduardo Sacheri era um ilustre desconhecido quando lançou seu primeiro livro de contos, em 2000. No ano seguinte, com o segundo volume, chamou a atenção de Juan José Campanella, cineasta de renome no país, que queria adaptar suas histórias curtas para o cinema.


Mas foi só quando lançou seu primeiro romance, A Pergunta dos Seus Olhos, em 2005, que a parceria engrenou. Campanella mudou o título para O Segredo dos Seus Olhos, chamou Sacheri para coassinar o roteiro e venceu o Oscar de melhor filme estrangeiro com a trama, recheada de mistérios policiais e paixões.


“Campanella fez algumas grandes mudanças na trama”, revelou Sacheri neste sábado, na mesa Cinema e Literatura, da FlipMais. “Além do título, ele mudou o fim do livro, que, segundo ele, não era muito cinematográfico. Fiquei chateado com a alteração do nome, é como mudar o nome de um filho seu.”


O escritor diz que ficou reticente de vender os direitos de seu livro, pois já cansou de ver adaptações para o cinema que não honram a produção original. “Mas Campanella me deixou participar de todo o processo, inclusive durante as filmagens. Foi difícil, mas compensou.”


E Sacheri ficava de ouvidos abertos durante as gravações. Quando viu que o ator Ricardo Darín, protagonista do filme, havia mudado uma expressão do roteiro, pediu para que Campanella refizesse a cena. “Imagina o quanto Darín gostou disso”, brincou, arrancando risos da plateia. 


O autor ainda discorreu sobre sua terceira paixão, depois de ler e ver filmes: o futebol. Ele lançou recentemente na Argentina, juntamente com Campanella, um longa de animação sobre bonecos de pebolim que ganham vida.

Praça da Matriz recebe bonecos de papel-machê

Inspirados em obras de autores brasileiros, esculturas foram feitas em oficina do artista plástico Lucio Cruz. Uma grande ciranda, um rapaz deitado na rede, um bode. A Praça da Matriz, ponto de encontro da Flip, está enfeitada durante a festa com 40 bonecos de papel-machê inspirados em obras de escritores como Graciliano Ramos, homenageado deste ano, e Monteiro Lobato.


As esculturas surgiram das mãos de 10 jovens de Paraty, que trabalharam durante um mês com o artista plástico Lucio Cruz, que organizou palestras e exibições de filmes para que os adolescentes se familiarizassem com a obra dos escritores.


“Fui muito em cima da temática dos livros, ligada ao Nordeste”, diz Cruz. “Deixei os jovens à vontade para criarem os bonecos, no máximo orientando o processo e fazendo a estrutura-base de madeira.”


Cruz ri lembrando das interações das crianças com os bonecos. “Já tivemos que consertar alguns deles, porque tiveram braços e dedos arrancados. As crianças adoram subir no bode, que, coitado, já está com as pernas arreadas.”

share
Logo da Casa Azul